03/03/2012

Meus campos















Meus campos

Lá longe,
Bem antes da consciência,
Ficaram meus campos.
Ingênuos, mansos, serenos,
Onde o menino de mim
Passeava as mãos
Sobre a relva orvalhada
Imaginando uma mulher amada.

Hoje, aqui tão perto,
Bem depois das certezas poucas,
Fica a pele fresca, macia e pura
De minha amada,
Onde o homem de mim
Passeia as mãos
À cata de prazeres tantos.

Logo depois,
Num tempo que o tempo não sabe medir,
Com o corpo entregue
Aos tremores do amor amado,
Confio minha cabeça
Ao colo de Helena
Que me devolve aos campos da inocência,
Confessando, com sacra calma,
Que a relva de outrora,
Era o manto de sua alma.

Anderson Fabiano

Imagem: Google


9 comentários:

HELO disse...

Meu querido, que poema lindo>Me senti invadida de emoçao!Maravilhoso amar e ser amado!!!!parabens! com carinho
heloisa crosio

Jorge Sader Filho disse...

Fabiano, todo o poema é bom, mas o final você sentou o bambu!
Ficou uma pintura.

Abraço,
Jorge

Caterina disse...

Ciao amico lontano, poesia bellissima piena di tenerezza.Mi commuove il vostro amore. É un grandissimo dono della vita poter stare insieme ala persona molto amata. Elena ti indora la vita!
Baci a te e alla tua dolce compagna

joaquimdocarmo disse...

Caro amigo
Que bom partilhar, em lugar privilegiado, essa linda história de amor! Que tem, mesmo, de ser linda, a ponto de inspirar tão delicioso poema!
De encantar, muito, esse sentimento de predestinação, de promessa pressentida nos versos que actualizam memórias, essas, sempre bem presentes, porque reflexos de vida: "... Que a relva de outrora,/Era o manto de sua alma."
Abraço poético fraterno e agradecido pela partilha!
jc

MENSAGENS AO VENTO disse...

________________________________

...aiaiaiai! Lindo demais... Que ternura o seu poema, que bela forma de cantar o amor do peito...

Beijos de luz e o meu carinho, sempre!!!


Zélia

_________________________

Anônimo disse...

E aí vc me faz perder o folego e um soluçar sai, sem pedir licença,... vindo uma emoção gigante, provocada pelo que acabo de me embriagar! Há muito não te visito... e logo eu que sei que o tempo passa sem retorno... e temos que aproveitar tudo que exite de bom... vc faz parte disso... aliás vc faz parte da natureza que existe só para nos trazer beleza e contemplação!!! Poetinha...te amo!!

Lekinha (comentário publicado no facebook)

Caterina disse...

Ciao amico poeta, mentre da voi il dolce autunno bussa alla porta, qui sta arrivando la primavera:)).
Baci e buona giornata

Helena Chiarello disse...

Já li e sorri esse poema muitas vezes, buscando encontrar palavras para traduzir a emoção do que ele diz e a alegria do que ele significa...

Mas sei que sabe...

Amo você, também por essas coisas.

Beijo, beijo, beijo!

mhelena disse...

Quando o amor se traduz em poesia, a vida está completa! Parabéns aos dois!
Bjos